Para fechar o ano, uma revisão das metas de 2013

 

 

É pouco provável que 2013 seja lembrado com euforia por bancos de varejo e de investimentos. Impactados pela modesto desempenho do Produto Interno Bruto (PIB), de 2,3%, pela falta de confiança dos empresários, instabilidade fiscal, desvalorização cambial, juros ascendentes, inflação no teto da meta e medo da inadimplência, os bancos contraíram algumas operações de crédito e não tiveram as respostas esperadas do mercado de capitais. Tanto que a maioria das instituições revisou suas metas (guidance) e optou por transações com menor risco de calote. O resultado foi um avanço de 12,8% - média dos 38 bancos que publicaram suas demonstrações financeiras até 10 de março - na carteira total de crédito em 2013, inferior às projeções iniciais que apontavam para a possibilidade de incremento de até 20%

Olhando de longe, não parece ruim. Mas dissecando melhor os números, o cenário muda. Alguns bancos como Itaú e Santander tiveram uma performance inferior à de 2012 nas receitas geradas diretamente com crédito, com encolhimento de 2,5% e 2,7% respectivamente. O que preocupou alguns analistas. "Isso porque as instituições financeiras foram 'obrigadas' a reduzirem seus spreads (diferença entre o custo de captação dos recursos e dos empréstimos) e tarifas seguindo o movimento 'imposto' pelos bancos públicos", avalia Erivelto Rodrigues, presidente da Austing Rating, agência de classificação de risco especializada no setor financeiro e responsável pelos cálculos acima.

Com as projeções para os indicadores fiscais e econômicos para este ano iguais ou piores às de 2013, fica uma sensação de déjà vu no ar. "O resultado recorrente dos bancos deve ficar entre 8% e 12% em 2014 já considerando a elevação na margem de spread que começou a ocorrer este ano. A rentabilidade sobre o patrimônio tende a continuar entre 15% e 16%, o que eu considero baixo, tendo em vista que em 2011 era de 21%", pondera Rodrigues. Ele também chama atenção para a piora no índice médio de eficiência operacional dos bancos, em 66,1%. Dos cinco maiores, o Itaú teve a melhor perfomance, com 51,5%. A pior foi do Santander, com 73,1%.

Para o ex economista-chefe da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), Roberto Luis Troster, há um ciclo vicioso e virtuoso entre os bancos e o crescimento do PIB. "Se o crédito funciona bem, você tem um motor importante para a economia e vice-versa", afirma. Troster também classifica de ruim o perfil dos financiamentos no país. "75% das concessões são de curto prazo e com spreads muito elevados. Enquanto o spread no Brasil está em 28,7%, no Chile é de 4,3%", alerta

Afetadas ainda pela conjuntura externa desfavorável, as operações dos bancos de investimentos também encolheram. De um lado, as mudanças na lei de incentivo fiscal dos EUA, e, do outro, a falta de investimento novo por parte do empresariado brasileiro derrubaram as emissões de títulos de dívida no mercado doméstico (de R$ 128,9 bilhões em 2012 para R$ 107,3 bilhões em 2013) e internacional (de US$ 50,5 bilhões para US$ 38,1 bilhões). Nem as transações de abertura de capital trouxeram alento e não passaram de oito emissões primárias.

Em meio a um ambiente menos otimista, muitos bancos tiveram que contar com operações extraordinárias e contábeis para que aferissem resultados mais pomposos. Caso do Itaú e do Banco do Brasil. "O BB contou com R$ 9,7 bilhões do IPO do BB Seguridade e o Itaú reduziu em R$ 6 bilhões suas despesas com provisões para devedores duvidosos", salienta Rodrigues, da Austin Rating.

O Banco do Brasil apresentou o maior lucro líquido da história dos bancos no país, com R$ 15,75 bilhões, 29,1% superior ao resultado de 2012. A evolução na sua carteira de crédito veio mais expressiva do que a dos concorrentes e bateu a casa dos R$ 623,4 bilhões, avanço de 18,6%. Para chegar a este resultado, o banco decidiu, assim como seus pares, apostar em crédito de menor risco como consignado, imobiliários e CDCs. Só no imobiliário o salto foi de 87,2%, com R$ 24,1 bilhões, entre empréstimos para pessoas física e jurídica. Outro segmento de forte vocação do BB é crédito rural, onde é líder disparado, com R$ 144,8 bilhões em carteira, e incremento de 34%.

"Se o crédito funciona bem, você tem um motor importante para a economia e vice-versa." 

No mercado de capitais, atuou como líder nas principais operações. Esteve no topo do ranking da Associação Brasileira das Entidades Financeiras e de Capitais (Anbima) no total das emissões de debêntures em 2013, coordenando R$ 23,9 bilhões. Nas colocações externas, foram R$ 23, 04 bilhões. "Nós participamos de 48,9% de todas as emissões que ocorreram em 2013 e fizemos o maior IPO do mundo. Levantamos R$ 11,47 bilhões com o BB Seguridade. O BBDTVM alcançou em janeiro a marca de meio trilhão em recursos administrados", afirma Ivan Monteiro, vice-presidente de relações com investidores do Banco do Brasil.

Em um movimento de contração em relação ao financiamento de veículos, o Itaú Unibanco, maior instituição financeira privada do país, com ganhos líquidos de R$ 15,59 bilhões e avanço de 15,5%, viu a carteira de automóveis encolher 21%. E foi proposital. O banco também priorizou o crédito consignado e imobiliário, em que cresceu 67% e 34% respectivamente. A aquisição da Credicard por R$ 2,76 bilhões rendeu um acréscimo de 30% nos ganhos com cartões. A totalidade das linhas de crédito subiu 12,4%, para R$ 412,23 bilhões. Apesar da queda no índice de inadimplência, para 3,7%, o Itaú Unibanco deve manter este ano a mesma estratégia. "Vamos continuar com a fórmula que pede mais garantias e resulta em menor inadimplência", afirma Rogério Calderón, diretor executivo de relações com investidores e relações internacionais. O executivo prevê um "guidance" em 2014 entre 10% e 13%, com o desafio de aumentar a presença nas operações de crédito para pequenas e médias empresas.

Apesar de o Itaú BBA ter liderado muitas emissões de títulos em 2013, Calderón não vê ambiente muito propício para essas operações no momento e prefere priorizar a captação de recursos no mercado doméstico. "O apetite do investidor externo para papéis brasileiros está baixo. Para levantar funding, as empresas deveriam priorizar o mercado local", avalia. Outra alternativa está nas novas regras de concessão para infraestrutura que podem elevar os financiamentos das obras e destravar as debêntures para esse nicho.

Também de olho no crédito para PMEs e no mercado de debêntures de infraestrutura, o Bradesco, terceiro maior lucro no ano passado (R$ 12,01 bilhões, 5,9% superior a 2012), se ressentiu dos mesmos aspectos conjunturais e teve comportamento parecido. Sua carteira de PME, no entanto, avançou 11,5%, para R$ 128,5 bilhões. O banco continuará priorizando as linhas imobiliária (que avançou 30% em PF e 25% em PJ, em 2013), rural (13%), repasse do BNDES (12,7%), financiamento à exportação (27%) e veículos (12,6%). "Considerando um guidance entre 10% e 14% para 2014, nossa meta é que a carteira de crédito atinja 30% da participação total dos resultados. Hoje é de 28%", prevê Luiz Carlos Angelotti, diretor-executivo do Bradesco.

No mercado de capitais, o BBI aposta em uma melhor estruturação e IPOs. "Isso por duas razões. Primeiro, o Brasil deve mostrar melhoras na economia. Segundo, porque as ações estão muito baratas e a modificação do fluxo de recursos deve acontecer até por uma questão de oportunidade", afirma Angelotti. O Bradesco esteve entre os cinco maiores emissores de títulos privados no mercado mundial em 2013, com R$ 7,07 bilhões. E se posicionou em segundo lugar nas emissões internas de debêntures, com R$ 22,59 bilhões de originação - atrás apenas do BB.

No caso do Santander a situação foi diferente. Após um ano de reestruturação de 70 núcleos de negócios, uma das apostas para recuperar parte das perdas registradas no Brasil é o novo modelo de atendimento para pessoas físicas. A criação do segmento Select, voltado para clientes com renda a partir de R$ 10 mil pretende conquistar 1 milhão de novas contas.

O Santander viu seu lucro líquido recuar 21,7% em 2013 frente a 2012, para R$ 2,10 bilhões. A rentabilidade também ficou em um patamar mínimo de 3,4%. "Mesmo em um cenário macro adverso, nos reestruturamos para crescer. Um bom exemplo são as transações de adquirência, com tecnologia acoplada a celulares e tablets para operações com cartão de crédito. O ganho nesse nicho foi de 67% em 2013 e vai avançar muito mais este ano", afirma Conrado Engel, vice-presidente executivo sênior de varejo do banco. O público alvo são os profissionais liberais e as PMEs. As outras apostas são no crédito imobiliário, onde o banco registrou avanço de 33%, e nos projetos de infraestrutura, em que participou de operações que somaram R$ 32 bilhões.


Para acesso ao link original: http://goo.gl/ZC17Wc

 

Fonte: Valor Econômico (Por: Roseli Loturco)

Para ser feliz es importante ser saludable. їCуmo lata ayudar los remedios? As que la siguiente cuestión es dуnde puedes encontrar informaciуn que sea til. Usted lata obtener informaciуn confiable durante la noche y convenientemente por ir en lnea. їTiene cualquier cuestión sobre Kamagra y azitromicina generico en línea? El momento ideal para resolver cualquier problema es antes de que aparezca cualquier signo visible. Hay otras preguntas opciones. Cuando usted compra el remedio del thr usted debe discutir con su doctor sobre . No olvide, piense en . Si necesita tomar medicamentos recetados, pdale a su farmacutico que verifique primero sus niveles de testosterona. Varios f'rmacos no son adecuados para personas con algunas afecciones, y muchas veces sуlo se puede usar un medicamento si se toma m's cuidado.

Instituidores

  • 1
  • 2